Quinta feira santa – CEIA DO SENHOR.

Quinta feira santa - CEIA DO SENHOR | Foto: Joel Barros

Quinta feira santa - CEIA DO SENHOR | Foto: Joel Barros

A) O mistério que celebramos

Nesta noite, iniciando o tríduo pascal, o Senhor deseja celebrar conosco sua Páscoa, memorial da libertação. Participamos de sua Ceia, comemos de seu corpo doado e de seu sangue derramado por nós; permitimos que Ele nos lave os pés e acolhemos dele o mandamento do amor.

B) Sugestões/roteiro para a Celebração

a)      Preparar o ambiente da celebração como para uma verdadeira refeição festiva: flores, velas, toalhas e vestes brancas, pão ázimo e vinho abundante.

b)      A comunidade poderá trazer algum alimento para partilhar (com as crianças e os pobres).

c)      Preparar o lava-pés, enfatizando-o como sinal da doação de Jesus e gesto profético que anuncia sua morte. O lava-pés pode ser ligado ao tema da CF.

d)      Sendo o dia em que o Senhor nos dá o “novo mandamento”, acolher bem as pessoas que chegam para a celebração.

e)      Iniciar a celebração com o toque de um instrumento ou o canto de um refrão orante, que expresse o sentido da celebração, como “Onde reina o amor…”, que pode ser repetido várias vezes.

f)       Como canto de abertura, pode-se usar o canto “Todos nós devemos gloriar-nos” ou outro semelhante. O presidente da celebração ao chegar beija solene e calmamente o altar. O animador dá o sentido da celebração e acolhe fraternalmente a todos. No início da celebração todos podem se saudar, desejando-se mutuamente “Feliz Páscoa”.

g)      Onde for oportuno, após o acolhimento, a comunidade faz a memória dos vários grupos e igrejas com os quais está em comunhão. Pode-se preparar um candelabro (Menorah) em lugar de destaque e, à medida que se vai lembrando cada grupo, uma pessoa vai acendendo uma vela do candelabro, recordando um antigo rito da páscoa judaica.

h)      Durante o canto do glória, toquem-se os sinos (sinetas e instrumentos), que depois permanecerão silenciosos até a Vigília Pascal.

i)        Segue a oração do dia (coleta).

j)        Neste dia seria conveniente iniciar a Liturgia da Palavra com a recordação da vida, fatos ou ações concretas com que a comunidade vivenciou sua páscoa durante a quaresma.

k)      A Primeira leitura poderia ser feita como na ceia judaica: uma criança pergunta: “Porque esta noite é diferente das outras?” Um adulto responde proclamando o texto, se possível, de cor.

l)        É recomendável que o Salmo responsorial, (Sl 116/115) seja cantado (ver a versão proposta pelo Hinário Litúrgico 2, p.47 ou o CD Cantando os Salmos – Anos A, B ou C ,conforme o caso, ou outra).

m)    Na Aclamação ao Evangelho, pode-se usar o canto “Eu vos dou um novo mandamento”.

n)      O Evangelho, eventualmente, poderia ser encenado, integrando-o com o lava-pés, ou cantado ou proclamado solenemente.

p)      A preparação da mesa para a Ceia poderia ser feita no momento da apresentação das oferendas. Algumas mulheres poderiam trazer a toalha, outros os pães ázimos e a jarra de vinho. Seria bom trazer também alguns alimentos (pães, bolos, sucos de uva, etc.) que ao final da celebração poderiam ser partilhados entre todos.

q)      É recomendável que a Oração Eucarística seja cantada, pelo menos as respostas e o grande Amém (após a doxologia final).

r)       Neste dia, convém dar destaque ao gesto da fração do pão, enquanto a Assembléia canta o “Cordeiro de Deus”

s)       Feita a oração após a comunhão, a âmbula contendo a reserva eucarística, será transladada solenemente para a capela do Santíssimo Sacramento. Alguns ministros trazem o véu umeral, o turíbulo com incenso, e outros, velas acesas. Enquanto os Cantores entoam o canto “Vamos todos louvar juntos”, o presidente da Celebração, de joelhos incensa o Ssmo. Sacramento e depois, acompanhado pelos ministros levando incenso e velas acesas, o conduz em procissão pela Igreja, até à Capela do Ssmo. Sacramento. Ai chegando, coloca o Ssmo. no altar previamente preparado e, de joelhos, o incensa novamente e permanece ai algum tempo em adoração silenciosa. Depois, todos se retiram em silêncio.

t)        A Vigília de adoração ao Ssmo. Sacramento que se costuma fazer após a Celebração deve terminar antes da meia-noite, respeitando-se o sentido dessa vigília. A partir dessa hora, recorda-se já a traição, prisão e paixão do Senhor. Além disso, ela não deve ofuscar a vigília mais importante do Tríduo que é a da noite do Sábado, “mãe de todas as vigílias” e para a qual devem convergir todas as nossas energias.

Tags:, , , , ,

1 Comentário Quero comentar

  • Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!
    fiz a leitura desta página que está ajudando muito no como realizar esta
    liturgia desta noite tão especial . Agradeço a DEUS POR TUDO.
    Que Deus nos abençõe. Amém!

    Comentário por Maria das Graças Guimarães Rezende — 7 de abril de 2014 @ 13:55

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário



Sobre o autor

Joel Barros

Tenho 24 anos, moro em Bragança e atualmente trabalho na diocese de Bragança - PA como Editor do Site

E-mail Site Mais

Publicidade

Dados desta matéria